Charutos
 
HOME > ARTIGOS > A ARTE DE ELABORAR UM CHARUTO
   

A Arte de Elaborar um Charuto
Por Celso Nogueira
Tradução: Silvana Siqueira

Fazer charutos é uma obra de arte. Conheça alguns detalhes do processo de produção dos charutos premium.

Cultivo do tabaco

As plantas de tabaco são semeadas em locais cobertos e transplantadas para os campos após um período que varia de seis a dez semanas. Nesse momento o desbaste é feito para que as folhas cresçam mais fortes e atinjam o tamanho necessário. Aquelas que produzem as folhas que servirão como capa para os charutos são normalmente mantidas sob uma cobertura conhecida como tapado, para protegê-las do sol.

 

 

 

 

Secagem

Após a colheita, as folhas de fumo passam por um processo de secagem, a fim de desenvolverem o aroma característico. Isso acontece quando as folhas deixam de ser frescas e flexíveis, com coloração verde brilhante, e adquirem tonalidade marrom ou amarelada. Quimicamente, a clorofila que existe naturalmente nas folhas aos poucos vai se quebrando, sendo substituída pelo caroteno. Para secar, as plantas que foram colhidas são posicionadas em estreitas ripas de madeiras, penduradas no telhado de um galpão específico, com boa ventilação. Em períodos de tempo seco, as folhas podem ser curadas simplesmente sendo penduradas, esse processo é chamado de secagem ao vento. Em outro método de secagem as ripas são penduradas em um pequeno celeiro que é aquecido a uma temperatura entre 32,2°C e 77°C. Essa temperatura é cuidadosamente monitorada para evitar uma secagem muito rápida. Serragem ou lenha podem ser queimadas no celeiro para ajudar a secar as folhas e melhorar o aroma.

 

Fermentação

Depois que as folhas foram curadas, elas são selecionadas por cor e tamanho. Folhas pequenas ou quebradas são utilizadas no miolo, folhas mais largas são usadas como capote, e folhas largas e de boa qualidade, normalmente crescidas à sombra, são separadas a fim de serem utilizadas como capa. As folhas são amarradas em feixes de 10 ou 15 folhas cada. Esses feixes são colocados em caixas ou barris largos conhecidos como barricas. O fumo é mantido nas barricas por um período que varia de seis meses a cinco anos. A folha passa por uma mudança química durante esse período, conhecida por fermentação. Durante a fermentação, o aroma e o sabor das folhas se desenvolve. O tabaco utilizado para charutos normalmente é fermentado por um período mais longo que outros tabacos.
Folhas fermentadas por períodos que variam de dois a cinco anos são normalmente utilizadas em charutos de alta qualidade. Depois da fermentação, as folhas já previamente selecionadas por "blends" que darão as características de cada charuto são postas em quartos de cedro.


Retirada do talo

As folhas do miolo devem ter seu talo removido, caso contrário o charuto não queimará uniformemente. Esse processo pode ser feito à mão ou à máquina. Manualmente, o trabalhador utiliza uma ponteira presa ao dedo e corta o veio próximo à ponta e o arranca fora. Depois disso coloca as folhas já sem o talo em pilhas.
Mecanicamente, o trabalhador insere a folha de tabaco na máquina sob uma faca circular. Pressionando um pedal, faz com que a faca abaixe e corte fora o talo, depois ele para a máquina e empilha as folhas sem talo.

As folhas limpas são amarradas em fardos e armazenadas para nova fermentação. Caso a produção final seja em outra localidade, os fardos já estão prontos para o transporte. Pouco antes das folhas serem utilizadas para a fabricação dos charutos, elas levam um banho de vapor para restaurar a umidade que foi perdida e então passam por uma nova seleção.

 

Enrolados à mão

Charutos finos são enrolados à mão. Este é um trabalho que exige habilidade: pode levar cerca de um ano para que um torcedor se torne um verdadeiro profissional. O miolo deve ser colocado de maneira uniforme para que o charuto queime suavemente e a capa deve formar um espiral perfeito em torno do charuto. Esses torcedores normalmente trabalham em pequenas fábricas. Cada um deles senta-se em uma pequena mesa com uma bandeja cheia de folhas de tabaco já devidamente selecionadas e um pequeno espaço para torcer os charutos. Primeiro, o trabalhador escolhe de duas a seis folhas para compor o miolo. Estas são colocadas uma em cima da outra e enroladas como um pergaminho. Depois, o feixe é colocado sobre a folha que formará o capote, então esta folha é enrolada de maneira cilíndrica em torno do miolo. Os charutos inacabados são colocados em um molde de madeira que os mantêm no formato correto até que possam ser encapados.
Encapar é o passo mais difícil. O torcedor tira o charuto parcialmente completo do molde e o coloca sobre a folha que será a capa. Com uma faca circular especial chamada de chaveta, o torcedor apara qualquer irregularidade que haja no miolo. Então ele enrola a capa ao redor do miolo e capote e prende a ponta com uma pequena quantidade de cola vegetal. Depois, corta um pequeno pedaço arredondado de outra folha. Esse circulo é colado na ponta do charuto, formando o que chamamos de “cabeça”. Assim sendo, o torcedor terminou de preparar o charuto, mas este ainda precisa ser testado, selecionado e embalado.

 

Enrolados à máquina

Muitos charutos produzidos hoje em dia são feitos à máquina. Uma máquina de charutos comum requer vários trabalhadores para executar diferentes funções. Um deles posiciona as folhas de fumo em uma cinta de alimentação entre barras que são ajustadas de acordo com o tamanho de charuto desejado. A máquina enrola as folhas formando o miolo. Outro funcionário coloca a folha que servirá de capote em um molde. A folha fica presa por sucção, a máquina então corta a folha no tamanho correto. O miolo cai sobre o molde e a máquina enrola o capote. Um terceiro funcionário posiciona a folha da capa em um molde. O charuto parcialmente completo cai sobre este molde e a máquina enrola a capa. Um quarto trabalhador inspeciona os charutos já completos e os posiciona em bandejas.

O produto finalizado é entregue ao inspetor que examina os charutos buscando imperfeições e confere se eles têm o peso ideal, o tamanho, o formato e também se a capa está em perfeitas condições. Ele corrige as imperfeições remendando a capa ou remodelando a cabeça.

 

Finalização e embalagem

Os charutos que são aprovados na inspeção são colocados em bandejas e levados a uma máquina onde receberão as anilhas e serão embalados em celofane. Os charutos são colocados em uma espécie de funil e a máquina prende a anilha ao redor dele. A mesma máquina também pode embalá-lo com celofane. Depois disso eles ainda são levados a um funcionário experiente que irá selecioná-lo por tonalidade. Os charutos são separados de acordo com as variações de tonalidade da capa. Produtos com a mesma coloração são colocados na mesma caixa.

 

Controle de qualidade

A qualidade dos charutos é verificada a cada passo do processo de fabricação. A perfeita condição das folhas de tabaco é muito importante, por isso são selecionadas e inspecionadas depois da secagem, da fermentação e antes de se tornarem efetivamente charutos. Após a finalização o produto é checado para confirmar o diâmetro, peso e tamanho, se há imperfeições na capa ou no formato e se produzirá boa puxada. As fábricas de charutos empregam pessoal para manutenção do maquinário com o intuito de garantir a qualidade dos charutos. Em muitas fábricas pequenas a inspeção final é feita por um funcionário treinado que coloca o charuto em um anel para confirmar o diâmetro e mede seu comprimento com uma régua. A aparência é fundamental para cada charuto, e uma caixa cheia também deve ser inspecionada para que pelo menos os charutos da camada superior tenham igualdade de coloração. A qualidade da capa deve ser verificada pelo torcedor. A folha de ser leve e estar em boas condições e seus veios devem parecer um espiral uniforme.
Depois que os charutos foram comprados é importante que haja um armazenamento correto, o que normalmente é feito em caixas de madeira especiais ou umidores, onde as condições podem ser cuidadosamente controladas por longos períodos. Mesmo que um charuto fique ressecado, é possível restaurar a umidade, desde que não tenha sido manuseado de forma descuidada e constante.

Ainda assim, a perda da oleosidade original do tabaco irá afetar o sabor.
Alguns charutos, especialmente as marcas premium, utilizam diferentes variedades de tabaco no enchimento e capa. Charutos “long filler” são os de mais alta qualidade, utilizando folhas inteiras em toda sua composição. Eles também recebem uma terceira variedade de folhas, chamadas de sub-capas, que ficam entre a bucha e a capa. Isso permite ao torcedor utilizar folhas mais delicadas e atrativas nas capas. Esses charutos de alta qualidade quase sempre trazem diferentes misturas de tabaco. Mesmo fumos cubanos “long filler” combinam tabacos de diferentes partes da ilha para incorporar diversos sabores.

 

 

Fumar e degustar

A diferença entre fumar e degustar um charuto está na atitude. Se o apreciador reserva um momento especial para acender um charuto premium, após a refeição agradável, na companhia dos amigos e de uma saborosa bebida – café, licor, Porto, Conhaque, Madeira, Late Harvest, Moscatel – sem pressa, atento ao sabor e ao aroma, estará degustando. Se agir como os fumantes de cigarro, estará apenas fumando.

 

Acender

A “cabeça” do charuto é a parte que normalmente fica mais próxima da anilha. O outro lado é chamado de “pé”. A anilha identifica o tipo de charuto e pode ser retirada ou não, conforme a preferência do fumante. É preciso cortar a ponta da cabeça, (com cuidado para não cortar demais - o que poderia fazer com que a capa se soltasse, nem de menos – o que dificultaria a puxada), e acender o pé do charuto.

O fumante então puxa a fumaça através da cabeça do charuto, com a boca e os lábios, sem inalar para os pulmões. Quando é aceso, o charuto deve ser rotacionado de modo a conseguir uma queima completa e uniforme.  A melhor forma de acendê-los é utilizando isqueiros de gás butano, porque este é um gás incolor, inodoro e com chama limpa com praticamente nenhum gosto, se é que tem algum. Não é recomendado o uso de isqueiros com fluido ou fósforos de papel, pois estes influenciam no sabor. Outra opção são os fósforos de madeira, pois não são tratados e ensopados com enxofre e com isso o sabor não é afetado, entretanto, recomenda-se que se deixe queimar toda a cabeça do palito antes de utilizá-lo no acendimento, assim, qualquer vestígio de produtos químicos será eliminado.

 

Sabor

Charutos - há uma grande diferença entre fumá-los e degustá-los.Cada marca e tipo de charuto tem sabor diferente. Apesar da capa não determinar completamente o sabor, as mais escuras costumam ser adocicadas, enquanto as claras têm sabor mais seco. Entretanto, o fato de um charuto ser suave, médio ou encorpado não está relacionado à qualidade. Os fumantes tem preferências individuais, alguns preferem um charuto, outros discordam. Alguns adjetivos utilizados para descrever o sabor de um charuto são: picante, apimentado, adocicado, terroso, amadeirado, tostado, envelhecido, cremoso, cedrado, achocolatado, verde, frutado, coriáceo. O ato de fumar um charuto, que raramente é inalado, tem sabor de tabaco com nuances de outros sabores. Existem muitos fatores que influenciam o sabor do fumo: tipo de tabaco, qualidade do charuto, sabores acrescidos, idade e umidade, método de produção (manual ou à máquina) entre outros. Um charuto fino tem sabor completamente diferente do oferecido por um cigarro tragado. Quando a fumaça é inalada, como os cigarros costumam ser, o sabor do tabaco é menos evidente do que se tem quando não se inala. Alguns entusiastas de charutos usam um vocabulário similar ao dos sommeliers para descrever as notas altas e baixas observadas enquanto se degusta um charuto.

 

Partagas, uma das grandes marcas de Cuba

A marca Partagas surgiu em 1845 e leva o nome de seu fundador, Don Jaime Partagas, que entrou para a indústria de charutos em 1827. Pouco depois de sua morte, a marca foi vendida, e em 1889 foi adquirida por Ramon Cifuentes, dono da Cifuentes y Cia. Os charutos Partagas ganharam medalhas de ouro em pelo menos três exposições internacionais entre 1867 e 1884. Não há dúvida sobre a fragrância e o sabor intenso da linha, que continua sendo produzida na fábrica de charutos Partagas de Cuba, renomeada para Fernando Perez depois da nacionalização.

Charuto Partagas Black Label
Os charutos Partagas existem também na República Dominicana, onde sua inigualável tradição na fabricação de charutos permanece viva.
O segredo dos charutos Partagas de hoje estão nas folhas que compõem suas capas, crescidas na República de Camarões, país da África Central, onde o clima sub-tropical único é ideal para o crescimento destas soberbas folhas, que têm sabor rico e incomparável. Na verdade, Ramon Cifuentes descobriu que poderia voltar a produzir Partagas novamente depois que encontrou as folhas para capas que cresciam na República de Camarões.


O esforço dos fabricantes de Partagas fora de Cuba (por conta da briga entre norte-americanos e cubanos, muitas marcas existem nos dois países) começou a dar resultado depois de alguns anos. Um exemplo é a linha Black Label.
Com o intuito de criar o Partagas Black Label, o Mestre em charutos da Partagas norte-americana, instalada em Honduras, Daniel Nunez, com seus colegas especialistas, levaram 10 anos aperfeiçoando a capa “Medio Tempo” e o capote “La Veja Especial”. A semente cubana Medio Tempo produz uma capa mais escura, pesada e rica do que outras capas porque são colhidas apenas depois que suas plantas envelheceram 50% mais do que outras folhas utilizadas como capas. O capote La Veja Especial cresce debaixo do sol da República Dominicana e conquista um sabor rico e profundo inigualável. Para acentuar ainda mais o caráter encorpado, o blend é uma mistura do fumo Ligero Nicaraguenho e Piloto Cubano Ligero Dominicano. Esses tabacos combinados a um calibre largo traduzem um sabor mais rico e ainda mais encorpado.
Um Partagas Black Label é o “café expresso” dos charutos, com coloração extremamente escura e sabor extra rico.

Partagas Série S
Dentre todos os charutos com formatos diferentes existentes hoje, Figurados são os mais curiosos. Também trazem um toque de mistério já que ninguém sabe exatamente quando, onde ou através de quem eles se originaram. A proposta dos Figurados é bem clara, cada um deles tem o propósito de intensificar a plenitude e as características do sabor do charuto. E como se pode esperar, o interesse nos Figurados tem crescido proporcionalmente ao crescimento do interesse dos charutos com mais sabor.
Partagas Figurados agora são feitos pelos torcedores mais experientes da Partagas sob a bandeira espanhola dos charutos Partagas Serie S. Enquanto um ou dois formatos já são familiares e já foram provados pelos fumantes, outros são inéditos. E assim como outros charutos Partagas, o Partagas Serie S Figurados são elaborados com as ricas capas da República de Camarões.

Partagas Reserva Limitada
Sempre um perfeccionista incansável, Ramon Cifuentes se tornou fascinado pelo desafio de criar um charuto Partagas super-premium. A tarefa se mostrou bastante árdua, mas o grande mestre charuteiro finalmente deu seu aval ao lançar os primeiros charutos Partagas Reserva Limitada em 1991, nos Estados Unidos. Desde que foram lançados, estes charutos se tornaram tão famosos por sua escassez quanto por sua qualidade, pois o padrão rigoroso para a fabricação desses charutos premium feitos à mão impedem que haja uma aumento de sua produção.
Para a mistura, apenas uma de cada cem das mais longas e finas folhas crescidas na República Dominicana e em St. Andres Tuxtla Valley, no México, são selecionadas e envelhecidas. Para as capas, só uma proporção de três em cada mil das melhores folhas de capas da República de Camarões são selecionadas das reservas Partagas. As folhas e o fumo dos charutos acabados passam por um prolongado processo de envelhecimento em galpões feitos de cedro espanhol. Monitorados cuidadosamente em intervalos regulares, apenas os charutos maturados gradativamente são dignos de receber o nome Partagas Reserva Limitada. Desde o momento em que o charuto é estocado no galpão de cedro até o momento em que é embalado, cada detalhe do processo de envelhecimento é devidamente anotado a mão em uma nota de certificação que há em cada caixa artesanal de mogno que receberá o charuto.
O sabor de um Partagas Reserva Limitada enriquece as qualidades primorosas do mais raro dos charutos.

Partagas Rosado Espanhol
A marca Partagas é reconhecida por charuteiros devido a sua qualidade, consistência e riqueza de sabor. Ramon Cifuentes e seu pai deram esses atributos a cada uma das pessoas que fazem parte da fabricação dos charutos Partagas. Após seu exílio de Cuba, Ramon passou a fabricar os Partagas na República Dominicana fazendo as mesmas cobranças aos seus novos funcionários. Daniel Nunez, que foi aprendiz de Ramon Cifuentes e mais tarde se tornou seu sucessor como Mestre dos charutos Partagas manteve as exigências para a fabricação dos melhores fumos. Em 2001, Daniel desenvolveu uma versão mais encorpada dos Partagas, chamada Partagas Black Label. A novidade nesta família que se orgulha de ter “os charutos mais ricos do mundo” é o charuto Partagas Rosado Espanhol.
Graças à inigualável riqueza do solo do Vale de San Agustin, as capas dão um sabor apimentado com um toque de canela, sua queimada é branca formando uma belíssima cinza. Com capa Connecticut Broadleaf e blend de fumos dominicanos, hondurenhos e mexicanos combinados para fazer um charuto meio encorpado a encorpado.

Partagas Cifuentes
Esses charutos carregam o nome da família Cifuentes, os legendários fabricantes dos Partagas em Cuba. Com uma tradição que atravessou o século, os mestres dos Partagas criaram charutos com seu nome que têm característica ímpar e distinta de todos os outros produtos existentes.
Essa tradição continua com o soberbo Partagas Cifuentes Blend.
Um charuto extremamente satisfatório, completo, com sabor rico conseguido de uma pequena plantação de folhas para capa amadurecidas sob o sol hondurenho. O envelhecimento extra das plantas dão às folhas da capa um sabor que nenhuma outra tem. E, naturalmente, a qualidade e habilidade manual encontradas nesses charutos é tudo o que se pode esperar de um Partagas. Esse é um charuto que o próprio Ramon Cifuentes teria orgulho em oferecer.

Partagas Cubanos
Charutos Partagas é uma das marcas mais antigas e conhecidas de charutos cubanos. O Partagas 8-9-8 é provavelmente o mais conhecido e apreciado da linha, que se destaca ainda pelos Salomones, Lusitanias, D4 e P2, além de um dos grandes charutos pequenos do mundo, o Shorts.
Todos os charutos Partagas são reconhecidos por sua fragrância, força e sabor e pela coloração típica da capa.
A marca recebeu nome de seu fundador, Don Jaime Partagas, que em 1845 abriu a famosa fábrica no número 520 da Rua Indústria, em Havana, Cuba. Após sua morte, os charutos Partagas foram adquiridos por Ramon Cifuentes e foi dirigida pela Cifuentes y Cia antes da nacionalização das indústrias cubanas, recebendo uma menção do nome pela romancista inglesa Evelyn Waugh’s em seu trabalho datado de 1945, Brideshead Revisited. Os charutos Partagas também receberam medalhas de ouro em pelo menos três exposições internacionais no período entre 1867 e 1884. Os charutos cubanos Partagas são saborosos, ricos, com sabor terroso. É um charuto forte, o que o torna uma escolha para os sérios aficionados por charutos cubanos.
Desde a nacionalização das indústrias cubanas eles têm sido produzidos em onze fábricas diferentes, incluindo a mais famosa fábrica Partagas, renomeada Fernando Perez após a nacionalização. A variedade de Partagas é extensa e seria difícil para um aficionado não encontrar um charuto Partagas que lhe agradasse tanto no tamanho quanto no formato, em Cuba ou nos Estados Unidos.

 

 

 
   
 

Onde Comprar Charutos
FAQ's Sobre Charutos
Charutos e Bebidas
Whisky e Charutos
A Arte de Degustar
Bitolas e Tipos
Marcas e Países